Eu sei, eu sei, hoje já é quinta feira e eu nem escrevi nada sobre o feriado da semana passada. Mas aí vai o resumão:

Fred tava uma coisinha de nada em cima da cama quando chegamos. Deu pena de ver. Eu até passei mal com a visão de todos aqueles fios ligados a ele e dos sinais de magreza no seu corpo. Ele não nos tratou pelo nome em momento algum. Acho que não nos reconheceu.

Na nossa última visita, porém, tivemos uma bela surpresa. Fred ouviu a voz do filho e o chamou. Os fios foram retirados, ele estava respirando sozinho e com um ar muito mais saudável. Ele ficou feliz de nos ver por lá. Meu marido ficou feliz. Eu fiquei feliz.

O Dia Ação de Graças, passamos com minha cunhada num restaurantezinho bem gostoso perto do hospital. Eu até gostei de não ter tido aquela comilança típica do dia. Me dá asco ver o povo comendo o dia todo sem parar. Mas confesso que senti falta de cozinhar em casa.

Vimos parte da família e passeamos por NY, que estava linda como sempre. Mas, dessa vez, decidimos ir apenas a lugares que eu ainda não conhecia. Aquela cidade é mesmo inesgotável. Fomos tambem visitar a comunidade brasileira em New Jersey, fazer umas comprinhas no supermercado brasileiro. Honestamente, eu não entendo quando as pessoas dizem que se sentem no Brasil quando estão nessas comunidades. Eu me sinto num lugar imaginário, numa realidade paralela, não me dá conforto estar lá. Por outro lado, o sabor da picanha era bem real e o bacalhau que comprei vai render uma bela comidinha semana que vem.