Eu fui avisada faz tempo que, chegando ao meio do programa de mestrado esse papo de tirar ferias longas, ir pro Brasil e esquecer de tudo ia acabar. Mas eu nao ouvi, porque eu nunca fui muito boa de ouvir conselhos, e achei uma bobagem ficar me preocupando com tese durante as ferias.

Well, well, well… tirei minhas belas ferias, pensei muito pouco em coisas importantes, cheguei aqui e pimba! Mudei o assunto da tese. Continuo na area de diversidade, mas nao vou mais escrever sobre alunos estrangeiros e sim sobre a presenca feminina no corpo docente. Eu sabia fazia tempo que tinha um material fantastico sobre isso na internet, no blog de uma materia que peguei no ano passado. Tipo de coisa que ia me economizar uns dois meses de pesquisa.

Mas claro que tinha prazo de validade, o blog ia sair do ar em fevereiro, eu pensei. Dai que eu entrei hoje e… adeusinho. Nao era fevereiro, era janeiro. E eu saberia disso se estivesse minimamente preocupada com minha tese nas ultimas semanas. Agora eu queria saber de onde vem uma vozinha irritante na minha cabeca repetindo: “se fudeu, se fudeu, se fudeu…”

Mas quem e que gosta de coisa facil, ne? O bom e quando e bem dificil, quando a gente se estrupica toda pra conseguir. Vamos a luta que o tempo e curto.